segunda-feira, 28 de maio de 2012

Desastres e acessórios

Independentemente de voltar a estar na moda em força, se há coisa que sempre achei o cúmulo da pinta, do cool e do ar rebelde foi o uso de pilhas de pulseiras.







Adoro.

Sobretudo, no Verão. Sobretudo, na praia, com um biquini. Quem diz pulseiras, diz fios com biquinis ou fatos de banho. Nada a fazer. É jovem, leve, despreocupado e tem muita pinta.





No entanto, neste Sábado, recordei da pior forma o forte motivo para o qual nunca fui muito adepta desta moda. 

Após uma aula de ballet de duas horas, um banho a correr e sem sequer pôr creme, para depressa estar na esplanada ali ao lado, em frente ao rio, a almoçar, quando dei conta, era feliz contemplada não só de umas valentes marcas das pulseiras espalhadas pelo braço direito, como um escaldão a acompanhar. Felizmente apenas nesse braço.

Ou seja, tenho o braço às riscas, mais finas ou mais largas, consoante a largura das pulseiras que usava. Verdadeiramente medonho. Marcas que desconfio serem quase impossíveis de remover. Fora o escaldão que abomino e, geralmente, procuro sempre evitar.

Portanto, lição mais do que aprendida. Creme após o banho: sempre; protector solar: sempre e correr com todos os acessórios que podem deixar marcas infelizes e difíceis de remover.

Assim, recordei-me também dos tempos de estudante, em que chegava às férias de Verão e abolia o relógio do pulso. Sem marcas, sem compromissos, sentimento de férias sempre presente.

Pelos vistos, nunca fui uma miúda muito beach cool nesse aspecto. Com alguma pena mas do mal o menos. 

Para me contentar, quilos de pulseiras também não são confortáveis, logo, de regresso ao minimalismo nos acessórios, quer no tamanho quer na quantidade (mas lá que ficam giríssimas, ficam.).

1 comentário:

Ioana-Carmen disse...

Love your style and you are so sweet! follow each other?:X

FashionSpot.ro